Top Social

RESENHA | TARTARUGAS ATÉ LÁ EMBAIXO - JOHN GREEN

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

SINOPSE

A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, transtorno mental que o afeta desde a infância –, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses.


RESENHA


Eu gostaria de começar essa resenha falando um pouco sobre a necessidade e importância de tratar sobre o assunto que na minha interpretação é o principal do livro. Está mais do que na hora de pessoas com plena saúde mental, entenderem e tratarem doenças mentais da mesma forma que as físicas. Problemas psicológicos não são somente aqueles que conseguimos ver as consequências no dia a dia, nem só aqueles que usamos para enquadrar criminosos.

Depressão, ansiedade, TOC e inúmeros outros transtornos existem e afetam a pessoa que sofre deles tanto quanto qualquer outra doença. O fato de não ser algo que se nota de fora, na maioria das vezes, não significa que o estrago por dentro não seja enorme. "Tartarugas Até Lá Embaixo" trata exatamente disso.

- E é um pouco aterrorizante pensar que o que eu considero como meu... abre aspas, meu eu... fecha aspas... não está nem um pouco sob meu controle.

O livro nos permite entrar na cabeça de uma pessoa com TOC e ansiedade e nos mostra todos os pensamentos que ocupam a mente de alguém nessas condições. Muitas pessoas podem em determinados momentos virem a se perguntar se partes dos diálogos internos de Aza não são um exagero feito para adicionar ao drama literário, mas – falando por experiência própria – os pensamentos, as conversas internas da personagens, as dúvidas... Tudo isso faz parte da rotina diária de alguém que sofre estando preso em sua própria mente. Até mesmo a dificuldade que a personagem sente em expressar o que está se passando em sua mente, a falta de palavras para traduzir de forma coerente o redemoinho de pensamentos, faz parte.

Acho que é isso que faz Aza uma personagem tão boa e real, a verdade por trás da ficção que ela traz. 

- Um dos desafios da dor, física ou psíquica, é que ó podemos os aproximar dela através de metáforas. Não temos como representá-la como fazemos com uma mesa ou um corpo. De certo modo, a dor é o oposto da linguagem.

Como todo livro do John Green,Tartarugas até lá Embaixo é lotado de momentos emocionantes e frases inspiradoras. E claro, personagens extremamente relacionáveis. É muito fácil se identificar com algumas das personas apresentadas durante a leitura. Seja com Aza - a personagem principal - com sua melhor amiga Daisy - que nem sempre se encontra no espírito para aturar os problemas da amiga - ou Davis - um garoto que tem tudo que o dinheiro pode comprar e ainda sim não tem nada.

A narrativa, como sempre nos livros de John Green,é extremamente fluída e fácil. A leitura passa com uma facilidade que você nem sente e, quando vai perceber, já está tão dentro da história que não dá tempo de voltar atrás e parar. Além de toda beleza interior, o livro também possui uma capa linda e o nome, pras pessoas que ficaram confusas como eu ao ver pela primeira vez, é explicado e tem ligação com a história.

Ao todo, foi bom sentir que esses seis anos fora de lançamentos não fizeram o autor perder seu tato e que sua grande volta foi através de um livro que faz jus ao seu nome e que tem tudo para se tornar um favorito dos fãs.


Post Comment
Postar um comentário