Top Social

REVIEW | STAR WARS: OS ÚLTIMOS JEDI

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

SINOPSE

Após encontrar o mítico e recluso Luke Skywalker (Mark Hammil) em uma ilha isolada, a jovem Rey (Daisy Ridley) busca entender o balanço da Força a partir dos ensinamentos do mestre jedi. Paralelamente, o Primeiro Império de Kylo Ren (Adam Driver) se reorganiza para enfrentar a Aliança Rebelde.

REVIEW

Existe um pequeno número de franquias cinematográficas capazes de transcender gerações no cenário atual. Emplacar uma continuação após trinta anos longe da tela grande é um feito louvável e que "Star Wars: O Despertar da Força" foi capaz de atingir nas mãos do diretor J.J. Abrams há dois anos, com novos personagens e arcos, porém, com os rostos conhecidos de Luke, Leia e Han. Agora, "Star Wars: Os Últimos Jedi" aproveita a nova leva de protagonistas e estabelece um ritmo próprio para a trilogia.

Rian Johnson, responsável por direção e roteiro, procura se arriscar ao longo da trama e divide os personagens em arcos complementares, nos quais o resultado de suas ações servirá a um propósito maior. Poe Dameron (Oscar Isaac), por exemplo, ganha maior destaque e atua como um rebelde inconsequente de bom coração enquanto Finn (John Boyega), ao lado de uma nova personagem, perde grande parte da ação do núcleo principal, todavia, sua jornada serve para elucidar as questões sociais que permeiam a galáxia, assim como fez "Rogue One: Uma História Star Wars". 


Apesar de não estar atuando diretamente no combate entre a Primeira Ordem e a Resistência, Rey (Daisy Ridley) passa por um conflito interno por ainda não conhecer a dimensão de seus poderes e isso a aproxima cada vez mais de Kylo Ren (Adam Driver), também confuso e atormentado por seus atos do passado. Ambos estão ligados diretamente a Luke (Mark Hamill), seja pelo anseio de aprender mais sobre a Força ou por um desejo de vingança, e isso dá maior espaço ao personagem, compensando sua ausência anterior. De forma impecável Ridley, Driver e Hamill se entregam completamente a seus personagens e fazem com que batalhas psicológicas sejam mais perigosas do que aquelas travadas com sabres de luz.

É interessante como "Os Últimos Jedi" procura, desde sua primeira cena, deixar em evidência que nenhuma guerra se resumiu ao embate entre Sith e Jedi. Sempre houveram pessoas comuns, lutando por aquilo em que acreditavam e, muitas vezes, morrendo, sem que seus nomes fossem lembrados. E em vários momentos vemos a General Leia Organa (Carrie Fisher) sofrer com a perda de tais pessoas, pois todos importam para Resistência. 

De forma geral, o roteiro se preocupa muito mais em estabelecer as relações entre os personagens do que verdadeiramente explicar as motivações por trás das ações da Primeira Ordem. Não que isso seja um problema, mas acaba por acumular o número de informações a serem inseridas em um próximo filme - caso isso venha a acontecer. Já ao observar o conteúdo visual, o expectador se depara com uma escolha de paleta de cores sóbria e cenários impecáveis, capazes de tirar o fôlego e despertar o desejo por um novo pôster na parede do quarto.


Há ação e emoção durante os 152 minutos de filme. Alguns momentos são mais lentos, ao passo que outros se destacam por diálogos rápidos, sequências de luta e naves espaciais em velocidade total. Porém, tudo se encaixa perfeitamente e resulta num filme bem construído e com personagens sólidos, inclusive do elenco de apoio. Em resumo, "Os Últimos Jedi" mantém o encanto da trilogia original, reverencia seus protagonistas e mostra como manter-se nos corações dos fãs por trinta anos.


Um comentário on "REVIEW | STAR WARS: OS ÚLTIMOS JEDI"
  1. Star Wars segue como o cerne do cinema de entretenimento, e revitaliza suas bases como poucos. Gostei de ver a Justin Theroux no elenco do filme, este ator nos deixa outro projeto de qualidade, de todas as suas filmografias Lego Ninjago, um dos melhores filmes de animação é a que eu mais gostei, acho que deve ser a grande variedade de talentos. A chave do sucesso é o bem que esta contada a historia e a trilha sonora, enfim, um dos meus preferidos e algo muito diferente aos que estávamos acostumados a ver.

    ResponderExcluir