Top Social

QUANDO COMECEI A LER YOUNG ADULT?

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Caro leitor, 
       
Em 19 de Dezembro de 2008 minha vida mudou. 


Nesse dia, minha melhor amiga completou 12 anos. Fomos ao shopping com outras amigas e a mãe dela. Lembro de escolher minha roupa cuidadosamente no dia anterior e conferir várias vezes se o ingresso do filme que iríamos assistir estava bem guardado na minha carteira. 

Naquela época - há quase dez anos - os cinemas da minha cidade não marcavam lugares, logo, a solução era chegar cedo. E foi isso o que fizemos. Claro, não achávamos que seria preciso, uma vez que o filme não era tão conhecido, mas a fila já era considerável. Porém, nada comparado ao que encontraríamos nos anos seguintes. Caso não esteja claro, o filme era "Crepúsculo". 

Saí do cinema extasiada. Aquela havia sido uma experiência e tanto. Vampiros, lobisomens, romance proibido... Era maravilhoso! Era melhor que todos os filmes de vampiro que assisti durante anos na Sessão da Tarde. Conversei com pessoas desconhecidas na saída do cinema e compartilhei teorias com minhas amigas enquanto lanchávamos mais tarde. 

Porém, não poderia acabar daquela forma, certo? Bella e Edward precisavam viver sua história de amor! Onde estava a continuação? 

Minha versão de 12 anos chegou em casa e pesquisou. "Crepúsculo" era uma série de livros. Até aquele dia minha cota de obras literárias se resumia a duas obras - "As Aventuras do Barão de Münchausen" e "A Fada que Tinha Ideias" -, pois nunca fui adepta à leitura, entretanto, esse era um livro que precisava ter em mãos. 

Lembro de implorar para minha avó me dar "Lua Nova" de presente; jurar que sim, iria ler até o final. Infelizmente, após um dia andando pela cidade em busca do livro, recebi a ligação dizendo que não havia nenhum exemplar em nenhuma papelaria, livraria, loja de departamento... Nada. Fiquei desolada. Vendo minha decepção, minha avó sugeriu que comprássemos na internet. Compramos. 

Adoraria também me lembrar o dia exato em que meus livros - "Eclipse" foi um bônus muito bem vindo - chegaram, porém, nem mesmo o site onde foi feita a compra contém essa informação, visto que anos se passaram. Mas lembro de ouvir o carteiro chamando o nome da minha avó e de nunca ter sentindo tanta empolgação quanto naquela tarde de Janeiro. Comecei o livro na mesma noite e, três dias depois, havia terminado. Ninguém acreditou que li todo o conteúdo tão rápido. Pediram que eu fosse mais devagar, porque "provavelmente não estava lendo direito". Mal sabiam eles...

Talvez não tenha sido o livro ideal para o início da minha jornada como leitora, mas foi o livro que precisava iniciá-la, uma vez que, naquela época, nem "Harry Potter" conseguiu me cativar a ponto de me impulsionar a buscar sua versão impressa. Stephenie Meyer, ao lado de seus clichês adolescentes e romance questionável, é uma de minhas heroínas literárias - ela me fez ler e por isso serei eternamente grata. Essa autora, que escreveu um livro a partir de um sonho, mudou minha vida. 

E foi assim que, de repente, me vi mergulhando no universo young adult.

Com amor, 

Post Comment
Postar um comentário