Top Social

GUIA DO CONSUMIDOR | LITERATURA POLÍTICA

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

O nome não parece atraente, mas tenho bons livros a reportar aqui, alguns deles serão abordados com mais profundidade ainda esse ano. O blog precisa se atentar aos assuntos do momento e por isso estou aqui.

Essa postagem quase virou um especial Fernando Collor, uma vez que ele anunciou ser pré-candidato a Presidência esses dias, justo quando tinha começado a ler Collor Presidente, o livro mais recente sobre seu mandato e o que encerra o ciclo que iniciei lendo Notícias do Planalto. Até por isso começarei por esses do ciclo Collor.


Notícias do Planalto: A Imprensa e Fernando Collor. CONTI, Mário Sérgio. 1999

O mais divertido calhamaço para se ler. Um livro que se espalha por redações, bastidores de campanha, traça uma grande rede de origens, seja de políticos e seus feitos marcantes ou de grandes nomes do jornalismo. Não é todo dia que você lê sobre como Roberto Marinho se apaixonou e assim teve paz de espírito para fazer suas movimentações na eleição de 1989. Aprender sobre os bastidores de notícias que marcaram a época e derrubaram o governo é algo fascinante, que faz sonhar com o jornalismo bem feito. Mostra também como picuinhas menores podem ser o estopim para que tudo se desmorone, como Collor copiar o design do jardim de Roberto Marinho e este ficar sentido. Só omitiu umas coisas de como Roberto Marinho impediu a campanha de Silvio Santos pra presidência, o que se encontra em A Incrível História de Silvio Santos.

É uma compra recomendada, relativamente fácil de encontrar em sebos por uns 20 reais, 10 se der sorte em frente à entrada do metrô da Carioca. Foi relançado silenciosamente em 2012 com um pósfácio inédito, na Saraiva está a 31 reais. A+


Morcegos Negros: PC Farias, Collor, Máfia e a história que o Brasil não conheceu. FIGUEIREDO, Lucas. 2000

É a visão aprofundada sobre a corrupção e as conexões de Paulo César Farias quanto à corrupção. Mais do que isso, traça os planos políticos de Collor após a renúncia para voltar à vida pública. Relata a investigação desastrosa do assassinato de PC Farias. Retrata os mafiosos que moravam no Brasil e como foram capturados, além do ciclo de produção das drogas e de como eram traficadas no exterior via conteiners as vezes contendo balas Juquinha. Melhor thriller da vida real. O sucessor espiritual de Notícias do Planalto.

A edição original hoje é fácil de encontrar em feiras de rua em um preço muito baixo, geralmente a 5 reais. Na Estante Virtual você encontra a 4, mas com 14 de frete. É outro livro que foi revisado, ampliado e com um pósfácio narrando como Collor retomou a vida pública sem maiores problemas. Essa versão geralmente está geralmente por 40 reais, mas ainda assim deve valer a pena. A


Collor Presidente: trinta meses de turbulências, reformas, intrigas e corrupção. VILLA, Marco Antonio. 2016

Esse livro me chamou a atenção desde que teve um destaque significativo na Livraria da Folha em seu lançamento, mais ou menos na época que terminava Notícias do Planalto. O preço não me era muito atraente, então só fiquei de olho. Comprei na última Bienal por 10 reais em um daqueles stands onde se levava 5 livros por 50.

É conciso, como se fosse um Notícias do Planalto sem a gordura e a vantagem de ter entrevistas recentes com a maior parte dos envolvidos no governo e sua ações. Uma cronologia que torna as situações claras e quais foram seus erros. Algumas coisas que conhecemos até hoje vieram dessa época, como a Lei Rouanet. Mas no geral resume o fracasso que foi o período. Espantoso ver que quase todo mundo naquele governo ainda se deu ao trabalho de escrever biografias, ou ainda dar depoimentos para que outros escrevessem, taí Fernando Sabino que não me deixa mentir. Perde um pouco do ritmo no fim, mas a culpa é dos personagens da história.

O posicionamento político do autor(e alguns de seus outros livros) me fez desconfiar desse livro, mas fora uma cutucada no final do livro, é um trabalho imparcial e competente, com às curiosidades da época pontuando os capítulos nas notas de rodapé. É fácil de se achar a menos de 30 reais, é só não ir na Livraria da Folha. A


Mentiras e os Grandes Mentirosos que as Contam. FRANKEN, Al. 2004.

Um de meus eternos favoritos, de como um comediante(que depois se tornou senador), montou um curso em Harvard e nele ensinou a jornalistas, futuros políticos e ativistas a como rastrear mentiras e como elas são acobertadas para parecer verdade, seja em livros, jornais ou ditas pessoalmente. Sinto falta de como a Era Bush foi propícia ao humor sem necessariamente ofender as pessoas que você discordava. A história do julgamento contra a Fox é um clássico.

Fácil de achar em sebos, na Estante Virtual você acha por 4 reais + 11 de frete. Procure o lugar mais próximo e evite pagar tanto frete. A+


Poder sem Pudor. ROSA E SILVA, Cláudio Humberto. 2001

É um livro de anedotas. Muitas anedotas. Quinhentas, pra ser preciso. Algumas conhecidas, célebres. Outras que são novidade. Alguns nomes citados se tornaram mais relevantes hoje em dia. É algo pra pegar e ler aos poucos, sem compromisso, enquanto anedotário é ótimo, mas pro conceito daqui, a nota cai. Ainda preciso ler seu outro livro, o que relata sua experiência no governo Collor, um dia eu esbarro num sebo.

É fácil de achar nessas feiras de rua a um preço baixo. Vi aqui que está a 3 reais na Estante Virtual. C+


Adhemar: Fé em Deus e Pé na Tábua. LOVATO, Amílton. 2014

Em 2016 eu reclamei na resenha de O Trevo e A Vassoura que faltavam biografias isoladas de Adhemar de Barros e Jânio Quadros. Ano passado encontrei biografias dos dois, no mesmo lugar, inclusive, a Martins Fontes da Paulista. O do Jânio estava bem caro enquanto o de Adhemar estava na entrada pela metade do preço. E assim eu levei por 22 reais.

Um bom exemplo de como se misturar feitos, vida pessoal e o folclore por trás da pessoa, ainda mais de alguém que tem causos eternos, o pioneiro do “rouba, mas faz” para alguns. Não era politicamente correto, era errante, não ligava para seus defeitos e ainda assim sucedeu na vida, muito também por suas realizações. Não há como desprezar alguém que pague passe livre pra jornalistas na zona do meretrício ou que chama publicamente a amante de Doutor Rui para não levantar suspeitas. Outros tempos. A decadência não foi deprimente, ainda que tenha sido traído no golpe militar. Leitura divertida.

Na Estante Virtual é fácil acha-lo por 20 reais contando com o frete, diria que vale a pena caso queira começar a ler mais sobre os políticos da época. A

Post Comment
Postar um comentário