Top Social

RESENHA | O CADERNINHO DE DESAFIOS DE DASH & LILY - DAVID LEVITHAN E RACHEL COHN

quarta-feira, 20 de junho de 2018

SINOPSE

O novo livro de David Levithan e Rachel Cohn que juntos escreveram Nick e Nora Uma noite de amor e música acompanha a dupla Lily e Dash. Ela está doida pra se apaixonar e, pra encontrar o par perfeito, decide criar um caderninho cheio de tarefas e deixá-lo na livraria mais caótica de Manhattan. Quem encontra o moleskine é Dash, e os dois começam a se corresponder e trocar sonhos, desafios e desejos no caderninho, que vai se perdendo nos mais diversos lugares de Nova York.

RESENHA



Recentemente eu tenho estado numa onda absurda de romances, a ponto de estar sendo vergonhoso falar que eu não gosto tanto de tal gênero. Aproveitando que estou me afundando cada vez mais nos amores literários, resolvi pegar um livro que está na minha lista desde de seu lançamento em 2016.

O Caderninho de Desafios de Dash e Lily é mais um livro do David Levithan, dessa vez em parceria com Rachel Cohn. Por já ter tido experiências passadas com pelo menos ½ dos autores envolvidos, esperava que a leitura fosse no mínimo agradável. E eu realmente não me decepcionei.
Amava o adjetivo livresco, que descobri ser uma palavra usada por outras pessoas com tanta frequência quando fuste, assecla ou abstêmio
Eu li o livro em poucas horas, pois sua narrativa é extremamente envolvente e seus personagens são muito agradáveis de se ler. Apesar de não ser uma história inovadora e cair muito naquela área de romance mais bobinho, Dash & Lily é um ótimo livro para se ler após uma leitura mais pesada.

Os capítulos são alternados entre Dash e Lily, conforme o caderninho e os desafios são trocados. Esse formato e um que sempre me agrada de ver em livros, principalmente em colaborações entre autores, porque se torna uma atividade a mais prestar atenção nas mudanças de escrita e na diferença de narrativa entre dois autores. Geralmente ambas as partes são trabalhadas para se fundirem e não existe uma transição muito grande entre um autor e o outro, mas é sempre divertido tentar achar as pequenas nuances.
- E se o amor não for oito ou oitenta? Não é questão de você está apaixonado ou não está. Não há níveis diferentes?
O livro se passa nas vésperas do dia de Natal, então outra ideia boa para a leitura - se você é como eu e adora ler livros perto das datas especiais retratadas em suas histórias - é ler durante a época natalina. É sempre bom ligar o ar condicionado fingir que a neve está caindo do lado de fora enquanto se acompanha um personagem lutando contra o frio excessivo do inverno americano. E eu sinto que ler nas épocas certas do ano influenciam na minha velocidade de leitura e no quão próxima eu me sinto da história.

Como eu disse, esse é um ótimo livro para se ler após uma leitura mais pesada por ser mais levinho e até mesmo bobinho - no melhor sentido possível. É aquele tipo de romance que aquece o coração e te faz rir.

Post Comment
Postar um comentário